top of page

O PODER ULTRAJOVEM

O poder ultrajovem - Capa provisória.jpeg

Páginas: 272

Publicação Original: 1972

Nova Publicação: 2023

ADQUIRA AQUI:

LogoTavessa.png
Amazon-Logo.png

Reunindo crônicas, contos e poemas de Drummond, O poder ultrajovem retorna em novo projeto, com posfácio de Antonio Prata. 

 

A versatilidade de Carlos Drummond de Andrade fica mais que evidente em O poder ultrajovem, livro reunião de textos publicados na imprensa no final da década de 1960 e início da década de 1970. Publicado originalmente em 1972, este livro mostra a enorme pluralidade e incrível capacidade criativa de Drummond também na prosa. Trata-se de um verdadeiro deleite para os fãs de Drummond e de literatura em geral. 


Nos 77 textos que compõem esta coletânea, o autor mineiro apresenta um repertório vasto — da mais alta cultura à percepção minuciosa da realidade brasileira nos anos 1960 e 1970. Um tempo também marcado pela dicotomia entre a ditadura militar e o “desbunde” cultural. 
 

Transitando com desenvoltura pela crônica, pelo conto e, claro, pela poesia, o escritor muitas vezes mistura tudo, borrando as fronteiras dos gêneros literários. A começar pelo título do livro, Drummond apresenta uma visão esperançosa da rebeldia juvenil. E seu olhar amplo ― regra geral de todo bom cronista ― alcança absolutamente tudo: do preço do chuchu à pauta de costumes, passando pelas enchentes de verão, por um curioso caso de doação de elefante e por uma comovente homenagem à amiga Cecília Meireles. Tudo isso com humor, ironia e leveza. 


Fato é que O poder ultrajovem capta com maestria o espírito daquele tempo, com sua moral, gírias e astral. Faz jus à tradição da crônica, o mais brasileiro dos gêneros literários, ao fotografar uma geração, com suas belezas e contradições. Alguns dos jornais que publicaram esses textos já não existem mais, assim como o Brasil retratado neles. Isso pouco importa. Os textos de O poder ultrajovem resistem à passagem do tempo, mostrando as diversas facetas de um país pelo olhar generoso e perspicaz deste gênio chamado Carlos Drummond de Andrade.
 

As novas edições da obra de Carlos Drummond de Andrade têm seus textos fixados por especialistas, com acesso inédito ao acervo de exemplares anotados e manuscritos que ele deixou. Em O poder ultrajovem, o leitor encontrará o posfácio do escritor Antonio Prata; bibliografias selecionadas de e sobre Drummond; e a seção intitulada “Na época do lançamento”, uma cronologia dos três anos imediatamente anteriores e posteriores à primeira publicação do livro.


Bibliografias completas, uma cronologia de vida e obra do poeta e as variantes no processo de fixação dos textos encontram-se disponíveis por meio do código QR localizado na quarta capa deste volume.

Âncora 1

LEIA, OUÇA, ASSISTA

Conheça outras edições do livro

Por Alexei Bueno

OBRAS CONSULTADAS

O amor natural. 1. ed. Rio de Janeiro: Record, 1992. [AN1]

O amor natural. 11. ed. Rio de Janeiro: Record, 2002. [AN11]

O amor natural. 19. ed. Rio de Janeiro: Record, [AN19]

Poesia completa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 2003. [PC]

Biblioteca particular de Carlos Drummond de Andrade.

 

Não foram incluídas aqui as alterações decorrentes do Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa de 1990.

  • “INFÂNCIA”
    estrofe 1, versos 5 e 6: “lia a história de Robinson Crusoé, / comprida história que não acaba mais.” [AP3]: “lia a história de Robinson Crusoé. / Comprida história que não acaba mais.”
  • POEMA “CASAMENTO DO CÉU E DO INFERNO”
    verso 14: “Diabo espreita por uma frincha” separado do parágrafo 8, como em [AP1].
  • POEMA “LANTERNA MÁGICA”
    II / SABARÁ estrofes 1 e 2: separadas conforme [PC] e [ACL]. estrofe 3, verso 5: em caixa-alta, conforme [AP1] e [PC].
  • POEMA “SINAL DE APITO”
    estrofe 1, verso 1: “Um silvo breve: Atenção, siga.” [AP3]: “Um silvo breve Atenção, siga.”
  • POEMA “NOTA SOCIAL”
    estrofe 1, verso 6: “como qualquer homem da Terra,”, conforme [PC] e [PP] [PCN]: “como qualquer homem da terra,”
  • POEMA “OUTUBRO 1930”
    Os trechos corridos, como prosa (“De 5 em 5 minutos” (...), “O inimigo resistia” (...), “O general” (...) devem ter recuo de parágrafo e ser alinhados à esquerda e à direita, como em [PC]. Sugiro que o travessão ( — ) seja usado apenas para indicar falas, como no poema “Sociedade”: O homem disse para o amigo: No caminho o homem resmunga: — Breve irei a tua casa — Ora essa, era o que faltava. Nos outros casos, o travessão ( — ) deve ser substituído pelo traço ( – ), como no poema “O sobrevivente”: Impossível escrever um poema – uma linha que seja – de verdadeira poesia.
bottom of page