top of page

SENTIMENTO DO MUNDO

SENTIMENTO.png

Páginas: 96

Publicação Original: 1940

Nova Publicação: 2022

ADQUIRA AQUI:

LogoTavessa.png
Amazon-Logo.png

Os poemas sociais de Sentimento do mundo retornam em novo projeto, com posfácio de Ailton Krenak. 

 

Sentimento do mundo, publicado em 1940, quando Carlos Drummond de Andrade tinha 38 anos, é seu terceiro livro de poemas, mas o primeiro escrito após a mudança para o Rio de Janeiro, então capital do país. O poema-título, que abre o volume, registra a abertura do poeta para uma visão mais ampla da humanidade. No conjunto de poemas aqui reunidos, há também uma atitude política mais participativa e empenhada (mesmo que ciente de seus limites) na transformação da realidade.

Os poemas sociais de Sentimento do mundo são alguns dos melhores já produzidos em nossa literatura. “O operário no mar”, “Os ombros suportam o mundo”, “Mundo grande” e a “Noite dissolve os homens”, entre outros, são exemplos de uma literatura engajada na qual, como escreveu o crítico Antonio Candido, referindo-se ao posicionamento político de Drummond na época, a “adesão ao socialismo e a negação do sistema capitalista” se fazem “em chave de lirismo, como alguma coisa que vem de dentro e existe antes de mais nada enquanto modo de ser”.

Esta nova amplitude, embora represente uma inflexão na obra de Drummond, não elimina, é claro, as fortes ligações que tinha com Minas Gerais e sua cidade natal. Os dois planos convivem, de forma mais ou menos tensa, ao longo do livro. Essa conexão decisiva com as origens fica evidente, por exemplo, no poema “Confidência do itabirano”: “Alguns anos vivi em Itabira. / Principalmente nasci em Itabira. / Por isso sou triste, orgulhoso: de ferro.”

As novas edições da obra de Carlos Drummond de Andrade têm seus textos fixados por especialistas, com acesso inédito ao acervo de exemplares anotados e manuscritos que ele deixou. Em Sentimento do mundo, o leitor encontrará o posfácio do líder indígena, ambientalista e autor Ailton Krenak, e também bibliografias selecionadas de e sobre Drummond; e a seção intitulada “Na época do lançamento”, uma cronologia dos três anos imediatamente anteriores e posteriores à primeira publicação do livro.

 

Bibliografias completas, uma cronologia de vida e obra do poeta e as variantes no processo de fixação dos textos encontram-se disponíveis por meio do código QR localizado na quarta capa deste volume.

LEIA, OUÇA, ASSISTA

Conheça outras edições do livro e ouça as poesias de Drummond

Drummond lendo "Confidência Do Itabirano"
Drummond lendo "Os Ombros Suportam O Mundo"
Drummond lendo "Mãos Dadas"
Drummond lendo "Mundo Grande"
"Inocentes Do Leblon", por Norma Benguel
"Canção da Moça-Fantasma De Belo Horizonte", por Malu Mendes
"Mundo Grande", por Ana Paula Aquino
"Mãos Dadas", por Scarlet Moon
"Sentimento do Mundo", por Ângela Gutierrez
"Confidência do Itabirano", por Duse Naccarati
Mídias

FIXAÇÃO DO TEXTO

Por Edmilson Caminha

ESTABELECIMENTO DO TEXTO DE SENTIMENTO DO MUNDO

(BASE: ARQUIVO DA EDITORA RECORD)

  • “INFÂNCIA”
    estrofe 1, versos 5 e 6: “lia a história de Robinson Crusoé, / comprida história que não acaba mais.” [AP3]: “lia a história de Robinson Crusoé. / Comprida história que não acaba mais.”
  • POEMA “CASAMENTO DO CÉU E DO INFERNO”
    verso 14: “Diabo espreita por uma frincha” separado do parágrafo 8, como em [AP1].
  • POEMA “LANTERNA MÁGICA”
    II / SABARÁ estrofes 1 e 2: separadas conforme [PC] e [ACL]. estrofe 3, verso 5: em caixa-alta, conforme [AP1] e [PC].
  • POEMA “SINAL DE APITO”
    estrofe 1, verso 1: “Um silvo breve: Atenção, siga.” [AP3]: “Um silvo breve Atenção, siga.”
  • POEMA “NOTA SOCIAL”
    estrofe 1, verso 6: “como qualquer homem da Terra,”, conforme [PC] e [PP] [PCN]: “como qualquer homem da terra,”
  • POEMA “OUTUBRO 1930”
    Os trechos corridos, como prosa (“De 5 em 5 minutos” (...), “O inimigo resistia” (...), “O general” (...) devem ter recuo de parágrafo e ser alinhados à esquerda e à direita, como em [PC]. Sugiro que o travessão ( — ) seja usado apenas para indicar falas, como no poema “Sociedade”: O homem disse para o amigo: No caminho o homem resmunga: — Breve irei a tua casa — Ora essa, era o que faltava. Nos outros casos, o travessão ( — ) deve ser substituído pelo traço ( – ), como no poema “O sobrevivente”: Impossível escrever um poema – uma linha que seja – de verdadeira poesia.
bottom of page